top of page

Energia armazenada em baterias transforma o setor energético

Brasil precisa de uma reserva de capacidade diversificada, com tecnologias distintas e complementares, escrevem Markus Vlasits e Tiago Correia ...


Não há transição energética possível sem considerar o armazenamento na agenda. A transição para a energia renovável requer capacidade e soluções de armazenamento. Fato no mundo e no Brasil. Armazenar é capturar o presente para garantir a oferta quando o futuro exigir. Nesse cenário, as baterias (Bess) são peças estratégicas.

As baterias emergem como protagonistas de uma revolução silenciosa. O armazenamento de energia em baterias não é mais só uma promessa distante. São econômicas e tecnicamente viáveis. São realidade e estão redefinindo o panorama energético global.

publicidade


Esses sistemas não só armazenam energia quando a oferta é alta e a demanda é baixa, mas também a libera quando necessário, reduzindo a dependência de fontes de energia convencionais e contribuindo para a estabilidade da rede elétrica.

As baterias podem ser implantadas em uma variedade de locais. De residências a grandes parques de energia solar e eólica. São adaptáveis e escaláveis.

Segundo projeção do ONS (Operador Nacional do Sistema Elétrico), em 2028, o Brasil terá uma demanda de 110,98 gigawatts de energia, contra uma oferta que pode chegar a 281,56 gigawatts, ao final de 2027. Ou seja, a oferta vai superar a demanda em 2,5 vezes. Sem dúvida alguma, o Brasil precisa de uma reserva de capacidade diversificada, composta por várias tecnologias com características técnicas distintas e complementares.

Não seria razoável exigir, por exemplo, que o próximo leilão de reserva de capacidade seja dominado por uma única fonte: a térmica. Da mesma forma, seria leviano negar a relevância do parque termoelétrico brasileiro, especialmente como ‘reserva estratégica’ para poder enfrentar períodos de escassez hídrica.

No entanto, também seria errado negar a relevância de sistemas de armazenamento para atuar como reserva de capacidade e fechar os olhos diante da sua maturidade tecnológica. O Brasil opera sistemas de armazenamento em baterias de pequeno e grande porte há anos. E é fato que as empresas atuantes nesse setor têm maturidade e experiência suficiente para poder participar do próximo leilão de forma, acima de tudo, segura.

As recentes declarações do ministro Alexandre Silveira sobre a necessidade de inclusão dos sistemas de armazenamento em baterias no próximo leilão de reserva de capacidade, marcado para agosto de 2024, representa um avanço significativo na agenda de transição energética. Um marco para o Brasil.


Leia na íntegra:

コメント

5つ星のうち0と評価されています。
まだ評価がありません

評価を追加
#LOGOS3.png
bottom of page